Ull

Sejam bem-vindos a mais esse projeto solo de Ebrael Shaddai. Tudo muito estranho, não é? Essa é uma das únicas partes deste site que estão em Língua Portuguesa. Mas, que língua é essa na qual o site está sendo publicado? E qual a finalidade disso tudo? Essas são perguntas que brotariam naturalmente em uma primeira visita a este blog.

Como sabem, não escrevo por dinheiro nem por fama, embora minha vaidade não seja algo a desconsiderar. Escrevo sobre o que quero, quando acho necessário e urgente, seja lá o que for. O que minha mente conceber estará prestes a nascer no próximo momento. Basta uma fagulha que acenda o intento e um tempo mínimo para que tudo se articule.

Agora, chega de blá-blá-blá! 

A Poesia mais poderosa, como forma de Arte, é a Simbólica. Não meramente metafórica ou bucólica; não simplesmente visceral ou singela. A Poesia Simbólica é aquela que evoca os Arquétipos Universais (as ideias primitivas no Inconsciente) de forma ritmada, própria da Música como da própria Poesia. Porém, ela acaba sendo diluída, em seu sentido essencial, pela linguagem comum usada para nomear as coisas e seres. Quem já estudou um pouco de Harmonia em Música sabe que, nesse, será preciso forjarmos nossos próprios termos para renovar a imagem de um Símbolo, a saber, uma ideia Primordial que se quer evocar.

Não basta, então, transmitirmos fielmente uma mensagem confiada a nós pelas Musas. É preciso forjar o instrumento de transmissão: a Linguagem. Mas, não apenas o estilo, e sim o próprio idioma. A exemplo da Poesia, a Intuição se beneficia quando meditamos ao declamarmos um texto escrito com palavras forjadas por nós. Ainda que ensejado por termos com raízes em outras línguas, um texto composto com palavras arranjadas por nós, em conformidade com nossa Arte, é investido de um Poder vibratório maior, seja positivo ou negativo, além de absorvermos de volta os sons de nossas palavras com um reflexo novo, que abre os canais de nossa Intuição. Começamos a nos dar conta de coisas intuitivamente. Passamos a saber e compreender aquilo de que falamos sem saber como ou por quê.

Teoria da Vibração – o Universo todo vibra, em todos os níveis, sutis e grosseiros. Nó forjamos a Arte, ela está em nós mesmos. Se só nós podemos aprender por nós mesmos, também apenas nós podemos forjar as melhores ferramentas para isso. É isso que busco: aprender de forma diferente dos outros, falar de forma diversa e viver de forma única cada ensinamento da Vida.

Portanto, a língua que inventei e estou construindo nesse blog, pouco a pouco, é ao mesmo tempo um exercício gramatical e intelectual, passatempo e uma maneira mística de interiorizar ensinamentos clássicos e poesias. Ou melhor: subliminar, eu diria!

A Língua Micaelina

Sim, como todo este blog e parte de minhas obras são dedicadas ao Santo Arcanjo Miguel, a língua que construir aqui também deve homenageá-lo. Veja bem: esta tal língua ou idioma não tem qualquer pretensão de ser usada por alguém mais, mas apenas servir de instrumento inspirador para meditação sobre textos sagrados e temas profundos. A recitação de textos em tal sistema funcionará como uma ladainha, em que interiorizamos algum ensinamento subliminar enquanto repetimos, de forma concentrada, algum texto.

A Língua Micaelina se baseará em raízes morfológicas extraídas do anglo-saxão (ou inglês), hebraico, grego e latim. Haverá um dicionário e gramática sendo construídos à medida em que os textos venha a ser traduzidos, disponíveis aqui em formato de planilha.

Anúncios

Deixe aqui sua opinião:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s